Círculo Completo: Tempo e Geografia no Plano de Salvação de Deus

This post is also available in: enEnglish frFrançais deDeutsch esEspañol ko한국어 nlNederlands ja日本語 plpolski daDansk

Círculo Completo: Tempo e Geografia no Plano de Salvação de Deus

Isaías 59 resume o plano de salvação de Deus ao longo do tempo e da geografia.

O capítulo começa com o profeta detalhando os muitos pecados de Israel (versículos 1-15a). Os versículos 15b-16a mostram as aflições de Deus em relação ao seu povo, antes de falar sobre a sua reação – tanto a “salvação” (falando da cruz) quanto o julgamento (versículos 16b-18) através de seu próprio Filho, aparelhado como guerreiro em toda a armadura de Deus. O versículo 18 indica que ele julga não apenas Israel, mas também a rebelião do mundo. Depois chegamos ao extraordinário versículo 19:

Temerão, pois, o nome do Senhor desde o poente
e a sua glória, desde o nascente do sol;
Pois virá como torrente impetuosa,
impelida pelo Espírito do Senhor.

Observe que a passagem se refere ao oeste [poente] primeiro, depois ao leste [nascente do sol]. Após o pecado, a vergonha e a tristeza da queda, Adão e Eva habitaram no Leste. Abraão, no entanto, retornou, viajando para o oeste em obediência à promessa, assim como os sábios que buscavam o Messias. As pessoas começaram a “temer ao Senhor” no Ocidente: no livro de Atos, Paulo foi impedido pelo Espírito Santo a ir para o leste à província romana da Ásia (não é a Ásia de hoje), mas foi chamado para o oeste na Europa, através de um sonho com um homem da Macedônia. Mais tarde ele terminou sua vida em Roma. No século IV d.C., o imperador romano Constantino desempenhou um papel fundamental na cristianização da parte ocidental do império, abrindo caminho para o crescimento da igreja romana na maior parte da Europa.

O “dilúvio ou torrente” de Isaías em direção ao oeste levou tempo para ganhar força – a igreja romana europeia se corrompeu, e a reforma protestante do século XVI trouxe uma expressão mais bíblica da fé para as regiões oeste e norte do continente. Depois, no século XVII, os pioneiros Peregrinos, incapazes de praticar livremente sua fé na Europa, fugiram para os Estados Unidos onde o cristianismo floresceu, além de ter se tornado a maior pátria ou refúgio para o povo judeu.

Assim, no Ocidente, o “temor do Senhor” tem sido um fundamento central, trazendo ordem, disciplina e justiça às instituições da sociedade.

À medida que a fé dos Estados Unidos se afastava de Deus, o fluxo do Evangelho era “impelido” mais para o oeste, desembarcando até nas belas praias das ilhas do Pacífico, com muitos filhos de canibais chegando a reverenciar o rei Yeshua (com fluxos significativos também para o sul, na África e América Latina e mais ao norte até a Rússia). Depois, de 1977 a 1997, a Coréia do Sul presenciou o surgimento da igreja que tinha o mais rápido crescimento do mundo (e curiosamente a economia que cresceu mais no mesmo período), com um terço da população se convertendo ao Senhor, sendo que a maioria era budista.

A ênfase nessas terras do “sol nascente” sempre foi a exaltação do esplendor e da majestade de Deus – “eles reverenciarão sua glória”.

A intensificação da “torrente” do Evangelho continuou indo em direção ao Ocidente! A China, através da perseguição, tem experimentado o que é de longe o maior crescimento numérico de igrejas da história da humanidade com mais de 100 milhões de crentes hoje e um plano para enviar 100 mil missionários para o oeste. A igreja do Nepal cresceu literalmente de um punhado desprezível na década de 1980, até aproximadamente um milhão hoje, segundo estimativas. Após a queda do comunismo no final da década de 1980, multidões nas repúblicas da Ásia Central se voltaram para o Senhor – é o Evangelho quebrando as antigas barreiras de budismo, hinduísmo, ateísmo e agora ……… o Islã. Hoje, as igrejas que mais crescem no mundo estão no Afeganistão e Irã, onde são fortemente perseguidas, com 16,7% e 19,6% de crescimento anual, respectivamente, de acordo com a Operação Mundo. O número de crentes iranianos segundo Portas Abertas é de 800 mil.

Portanto, nós estamos “voltando a Jerusalém” pelas antigas estradas da seda, com poucas barreiras restantes, e chegamos a Isaías 59.20:

Virá o Redentor a Sião
e aos de Jacó que se converterem,
diz o Senhor.

Paulo cita essas mesmas palavras em Romanos 11.26b-27, explicando que quando o caminho do Espírito Santo para alcançar toda a Terra e os povos em todo o mundo completar um círculo completo, será a hora de Israel:

“O endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado; e assim todo o Israel será salvo” (Rm 11.25-26a)

A palavra “assim” é a chave, indicando causa e efeito. A plenitude dos gentios, a perseguição global, a intercessão, os gentios causando inveja à Israel, a colheita global do fim dos tempos, tudo isso junto levará (“assim”) ao pleno arrependimento de “todo o Israel” e o retorno do Redentor a Sião em resposta ao nosso clamor: “Baruch HaBah b”shem Adonai”.

Assim, Israel e a plenitude das nações do leste, do oeste, do norte e do sul, em breve “temerão o nome do Senhor” juntos e “reverenciarão sua glória” – de acordo com as promessas infalíveis da aliança do Senhor (versículo 21).

Print Friendly, PDF & Email
By | 2019-11-26T12:45:27+00:00 November 26th, 2019|Uncategorized|0 Comments

Leave A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.