História Nazista se Repetindo ou Avivamento do Reino?

This post is also available in: enEnglish frFrançais deDeutsch esEspañol ko한국어 nlNederlands itItaliano ja日本語 daDansk

 História Nazista se Repetindo ou Avivamento do Reino?

Algumas vezes, nos tornamos tão familiarizados com o ambiente à nossa volta que mal o percebemos. Tornamo-nos familiarizados com a beleza, mas também com as coisas feias. No Ocidente, gerações nasceram, viveram e morreram influenciadas por uma visão de mundo com base no Iluminismo – o movimento filosófico e intelectual do século XVIII que colocou “no lugar de Deus”, a “razão” e o “conhecimento”. Hoje usamos o termo “humanismo secular” para falar em uma ideia de “moralidade” da humanidade sem Deus. Em nosso mundo secular, Deus não tem mais muito lugar em nossas escolas, universidades, empresas ou governos. Agora, esse sistema secular se estende até além do Ocidente, devido à nossa sociedade globalizada e à mídia moderna.

No tempo de Yeshua, os problemáticos saduceus não acreditavam no céu ou no sobrenatural – eles eram efetivamente centrados no homem, uma forma primitiva de ”humanismo secular” – veja os ensinamentos de Yeshua sobre casamento e ressurreição em Mateus 22.23-33. Este não foi o caso dos fariseus igualmente problemáticos, apesar de acreditarem no céu.

A chegada de Yeshua abalou tanto os saduceus quanto os fariseus. Sua identidade como “Filho do Homem” apela às nossas preocupações como seres humanos neste mundo, enquanto seu título “Filho de Deus” nos lembra o céu e o sobrenatural. Yeshua era de fato tanto o “Filho do Homem” (Mt 8.20; 9.6; 11.19 etc.) quanto o “Filho de Deus” (Mt 27.43; Lc 1.35; Jo 1. 49-50 etc.).

Irredutível

Na Alemanha, logo antes da Segunda Guerra Mundial, a Igreja Luterana dominava a religião nacional, de modo que a maioria das pessoas era luterana. Tragicamente, o partido nazista de Hitler encontrou uma denominação fácil de influenciar, infiltrar e dominar. A única que permaneceu irredutível foi a “Igreja Confessional”, centrada na Bíblia.

Um dos pastores da Igreja Confessional, Dietrich Bonhoeffer, criticou os luteranos por “pensar em duas esferas” em seu livro Ética. A “esfera inferior ou terrestre” se refere a negócios, política, administração, enquanto a “esfera superior ou celestial” se refere a oração, adoração e participação na igreja. Ele argumentou que os luteranos se preocupavam apenas com a esfera superior, dando aos nazistas liberdade para dominar a inferior – “com pensamentos tão celestiais que não tinham utilidade alguma nas coisas terrenas”. Portanto, os nazistas poderiam, por exemplo, confiscar empresas judias, marginalizar os judeus da sociedade e finalmente exterminá-los com gás, enquanto os luteranos tinham pouca base teológica para responder.

De forma alarmante, o nosso moderno mundo humanista tem um DNA similar ao dos nazistas, com potencial para praticar grandes males. A fé bíblica e os valores judaico-cristãos são marginalizados, difamados e, em última análise, seus próprios defensores são perseguidos – a Igreja Cristã, o povo judeu e o Estado de Israel. O sistema mundial, como os saduceus, se preocupa com a “esfera terrestre” e presta pouca atenção à “celestial”.

Nossa Resposta

O Corpo global do Messias de hoje em todas as suas diversas expressões precisa responder de pelo menos cinco formas:

Primeiramente, devemos tomar posição definida nas duas esferas ao mesmo tempo, preocupados tanto com o nosso contexto presente como também com o eterno – “Disse-lhes Jesus: Dai, pois, a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” (Mc 12.17). Devemos influenciar e estar envolvidos em política, negócios, bioética, questões de gênero, pobreza, meio ambiente e também em oração, adoração e evangelização.

Em segundo lugar, não devemos ser marginalizados ou silenciados, mas abrir o debate publicamente, para que o reino de Satanás seja dividido e caia. Paulo fez isso quando debateu com líderes judeus dos partidos dos saduceus e dos fariseus em Jerusalém, conforme registrado em At 23.6. Ele declarou que estava sendo julgado por causa da “ressurreição dos mortos”. Ele repetiu o argumento perante a liderança política romana secular em At 24.21. É claro que Paulo se importava com a esfera terrestre, mas estava desafiando os saduceus e os romanos a considerarem o reino celestial, dividindo assim os que se opunham a Yeshua.

Em terceiro lugar, precisamos evangelizar pessoas de outras religiões que estão ficando insatisfeitas com a sua fé, talvez por causa da violência ou inadequação de sua religião. Muitos muçulmanos, por exemplo, estão simplesmente se tornando seculares, passando diretamente da “esfera celestial” de sua religião para uma esfera “terrena” sem religião. Yeshua fornece uma terceira e genuína alternativa.

Em quarto lugar, precisamos orar: “Estenda as suas mãos para curar e realizar sinais e maravilhas através de seu santo servo, Jesus”; acompanhada da ação para demonstrar o reino celestial aqui na Terra.

Fazer essas coisas apressará a manifestação do avivamento em nossas comunidades e cidades, permitindo uma profunda transformação nacional para que o Reino de Deus venha “assim na terra como no céu” – Mt 6.10. Portanto, nossa quinta ação é fazer a oração do Senhor à luz dessas coisas, esperando ansiosamente por uma resposta.

Print Friendly, PDF & Email
By | 2019-11-06T14:29:20+00:00 November 1st, 2019|Uncategorized|0 Comments

Leave A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.